Projeto Salve o Som mobiliza os brasilienses em favor dos artistas locais e contra a crise

192

Da Redação
Foto: Divulgação

Pensando em  alternativas para os profissionais do segmento de arte, cultura e entretenimento, um dos primeiros a serem impactados pela crise econômica decorrente da COVID-19, o Sindilegis, o Sindjus-DF, o Fonacate e o Legis Club Brasil se uniram para realizar, com o apoio da agência Fermento e do Sicoob Legislativo, o projeto SALVE O SOM. A iniciativa, inédita no país, acontecerá nos dias 27, 28, 29 e 30 de abril e contará com a apresentação de doze artistas da cidade. Todos eles receberão um cachê simbólico pago pela organização e o complemento virá por meio de doações. As contribuições poderão ser feitas em dinheiro ou por produtos como alimentos não perecíveis, itens de higiene e máscaras. Da arrecadação em dinheiro, 70% será rateada entre os artistas participantes do projeto, seus produtores e técnicos, enquanto 30% será destinada à compra de cestas básicas e máscaras. A meta inicial, segundo os organizadores, é doar mil cestas básicas e 5 mil máscaras. A transmissão dos shows acontecerão pelos canais do Youtube e do Instagram do Sindilegis.

“Nossa meta é ousada. Por isso, decidimos apoiar não apenas nos custos operacionais do projeto e contribuições aos artistas, como também aportar recursos para aquisição de cestas básicas, máscaras e máquinas de costura”, revela Costa Neto, do Sindjus-DF. “Inclusive, uma das ações nesse sentido prevê a compra de 5 máquinas de costura e de tecidos para o projeto da Liga do Bem, capitaneado por servidores do Senado, que gera trabalho e renda para pessoas em situação de rua. A ideia é que, nesse momento, eles se dediquem à produção de máscaras contra a propagação do coronavírus”, completa Erivan Carlos de Carvalho, do Legis Club Brasil.

Desde a sua inauguração, há 60 anos, Brasília sempre acolheu e projetou grandes talentos da música brasileira. Nesse sentido, o SALVE O SOM pretende preservar e, sobretudo, garantir a continuidade dessa história, criando um ambiente alternativo de divulgação e monetização, tendo como foco a valorização e o sustento dos próprios artistas e suas equipes. Aliás, uma lógica que diferencia o projeto das lives estreladas do mainstream, que partem do prestígio de grandes nomes do show business para arrecadar recursos para instituições de caridade. “Os brasilienses têm orgulho desse legado, que conta com o rock dos anos 80 e 90 e o Clube do Choro, por exemplo. Por isso representantes de servidores dos três Poderes estão empenhados em criar essa rede de solidariedade para defender esse patrimônio da cidade e também ir em socorro de quem mais precisa”, explica Rudinei Marques, do Fonacate.

Programação:
– Segunda, dia 27/04
18h às 19h15 – Rogério Midlej
19h45 às 21h – Philippe Seabra
21h30 às 22h45 – Marvyn

– Terça, dia 28/04
18h às 19h15 – Dhi Ribeiro
19h45 às 21h – Brícia Helen
21h30 às 22h45 – Gleno Rossi

– Quarta, dia 29/04
18h às 19h15 – Marcelo Coisa Nossa
19h45 às 21h – Sr. Gonzales
21h30 às 22h45 – Hudson Melo e Felipe

– Quinta, dia 30/04
18h às 19h15 – Márcio Marinho
19h45 às 21h – Surf Session
21h30 às 22h45 – Victor Vitrola

Dica:
O projeto Salve o Som aceitará doações em dinheiro e em produtos e conta com três canais de participação:
– Para doações em dinheiro:
Banco 756 – Sicoob
Agência 4259
Conta 3.278-6
CNPJ 03.656.493/0001-00

– Para doações de alimentos e outros produtos:
Ricardo Gomes (Sindilegis)
(61) 99824-8528
Marcos França (Sindilegis)
(61) 98156-8381
Adriana Mendes (Sindilegis)
(61) 98248-8541
Cristiane Lacerda (SINDJUS-DF)
(61) 99175-0135
Samuel Elias (SINDJUS-DF)
(61) 99119-5945

– Para participantes do Sindilegis Mais:
Se você é filiado ao Sindilegis e já se cadastrou no programa de relacionamento Sindilegis Mais, também poderá doar uma parte do seu saldo direto pela plataforma.