Você tem o hábito de higienizar o seu celular?

102

Da Redação
Foto: Divulgação

Enquanto o mundo sofre com a pandemia do novo coronavírus, o Covid-19, seguimos tentando mudar simples hábitos de higiene. Nossas mãos são um antro de bactérias. Elas encostam nas barras do transporte público, pegam em chaves, manuseia dinheiro, espirramos e tossimos nela, entre outras milhares de coisas. Mas apesar dos avisos para lavarmos bem as mãos com água e sabão, além da aplicação do álcool gel, o inseparável celular pode colocar tudo a perder. Cerca de 17 mil bactérias passeiam pela telinha desse objeto aparentemente inofensivo.

Achou o número alto? Uma pesquisa feita na Universidade do Arizona mostra que o seu vaso sanitário tem dez vezes menos germes do que isso. Vírus da gripe normal podem ficar na tela do seu aparelho de duas horas até nove dias. Cientistas acreditam que o tempo de vida do coronavírus na superfície do celular seja parecido.

Em todo o planeta, 5,1 bilhões de pessoas usam algum tipo de aparelho celular. O dado está no relatório a Economia Móvel 2019, da GSMA. O número equivale a cerca de 67% da população mundial.

Portanto, é imprescindível higienizar também os equipamentos eletrônicos, como celulares e notebooks. O recomendável para limpeza é o álcool isopropílico, mas, caso não tenha, utilize um lenço umedecido.

É preciso acabar com a tentação de levá-lo para o banheiro, evitar usá-lo no transporte público e, claro, nunca esquecermos de lavarmos as mãos. Com essas medidas, vamos garantir a nossa segurança e de muitas outras pessoas.