Théa Sisson em exposição no “Cerrado Esperança”

721

Por Felipe Oliveira
Foto: Divulgação

Até o dia 17 de abril, a Casa Thomas Jefferson recebe, pela coletânea “Cerrado Esperança” as obras da artista Théa Sisson. A arte de Théa revela muito da relação do homem com a natureza, das figuras humanas e suas vivências pessoais. Artista plástica autodidata desde a infância, ela contou com mestres de técnicas variadas para aprimorar o talento. Com a maturidade e traços apurados, Sisson imprime forte emoção e transmite grande sensibilidade em suas telas.

Cerrado Esperança apresenta uma coleção documental da destruição causada pelo fogo na Chapada dos Veadeiros. As telas fazem o espectador sentir o calor das chamas em seu caminho de destruição, mostra a chegada do socorro heroico com esforço sobre-humano, as cenas dramáticas da tentativa de fuga dos animais e a esperança da fauna e flora ressurgirem das cinzas. “Protegemos somente o que conhecemos”, alerta Sisson, que é membro da Associação Candanga de Artistas Visuais. “Théa Sisson captura o observador com a magia do seu traço, com a envolvência de suas cores. Quem observa suas telas passa a fazer parte do universo retratado pela artista plástica”, observa Luiz Carlos Costa, produtor sociocultural da Casa Thomas Jefferson.

Dica:
Exposição “Cerrado Esperança” – Théa Sisson
De 15 de março a 17 de abril, segunda a sexta, das 9h às 21h e, sábados, das 9h às 12h
Local: Galeria de Arte da Casa Thomas Jefferson (SEPS 706/906)
Ingresso: Entrada franca
Classificação indicativa: Livre