Exposição “Sertão Forte”

790

Por Felipe Oliveira
Foto: Noiton Pereira

Às vezes, uma imagem vale mesmo mais do que mil palavras. Às vezes um clique capta a essência de um momento, de uma vida, de muitas vidas. Às vezes, o registro toma os expectadores pela emoção. Às vezes, o olhar e o livre arbítrio de um fotógrafo são pautados pelo desejo de mudanças. Para Noilton Pereira, a fotografia é um instrumento transformador de realidades que parecem paradas no tempo. Com a sensibilidade típica dos que se inquietam diante do que passa despercebido para muitos, ele eterniza nuances da história dos sertanejos que vivem na região da Chapada Diamantina, no sertão baiano. Uma coletânea de 50 fotos do fotógrafo está na exposição Sertão Forte, em cartaz na Galeria de Arte da Casa Thomas Jefferson de 14 de junho a 20 de julho.

Noilton Pereira é autodidata. Foi radialista, conhecia muito bem o contexto do sertanejo que habita a região da Chapada Diamantina. “Eu visitava as comunidades, tinha entrosamento com meus conterrâneos, conhecia o dia-a-dia sofrido de muitos deles, as tantas limitações impostas pela história do nosso País, mas não conseguia transmitir isso para as pessoas que viviam fora dessa realidade”, revela. O olhar apurado de Noilton ganhou o mundo virtual e possibilitou uma corrente do bem. O fotógrafo idealizou e executa um trabalho social para ajudar a comunidade da periferia de Ruy Barbosa, cidade da Chapada Diamantina, no interior baiano. “A fotografia me permitiu derrubar fronteiras e a minha inquietude me fez fotógrafo. Eu passei a registrar a vida dessa gente simplória, que vive em casas de barro, de chão batido, sem recursos”, relembra. As imagens ganharam o mundo pelas redes sociais, as pessoas passaram a procurar Noilton para comprar as fotos e a venda delas, hoje, financia um programa que fornece material escolar, alimentação, brinquedos, roupas, móveis e
até novas casas para famílias em situação de vulnerabilidade social e risco.

Dica:
Exposição “Sertão Forte”
De 14 de junho a 20 de julho, segunda a sábado, às 9h
Local: Casa Thomas Jefferson – Asa Sul (SEPS 706/906)
Ingresso: Entrada franca
Classificação indicativa: Livre